O que é ‘pós-verdade’, a palavra do ano segundo a Universidade de Oxford

Manifestantes pró-saída do Reino Unido da União Europeia, em junho de 2016
Adjetivo diz respeito a circunstâncias nas quais fatos objetivos têm menos importância do que crenças pessoais 

Por André Cabette Fábio, Nexo -

Anualmente a Oxford Dictionaries, departamento da universidade de Oxford responsável pela elaboração de dicionários, elege uma palavra para a língua inglesa. A de 2016 é “pós-verdade” (“post-truth”).

Em 2015, a palavra escolhida foi um emoji - mais especificamente, aquela carinha amarela que chora de tanto rir.

Além de eleger o termo, a instituição definiu o que é a “pós-verdade”: um adjetivo “que se relaciona ou denota circunstâncias nas quais fatos objetivos têm menos influência em moldar a opinião pública do que apelos à emoção e a crenças pessoais”.

A palavra é usada por quem avalia que a verdade está perdendo importância no debate político. Por exemplo: o boato amplamente divulgado de que o Papa Francisco apoiava a candidatura de Donald Trump não vale menos do que as fontes confiáveis que negaram esta história.

Segundo a Oxford Dictionaries, o termo “pós-verdade” com a definição atual foi usado pela primeira vez em 1992 pelo dramaturgo sérvio-americano Steve Tesich. Ele tem sido empregado com alguma constância há cerca de uma década, mas houve um pico de uso da palavra, que cresceu 2.000% em 2016.

“‘Pós-verdade’ deixou de ser um termo periférico para se tornar central no comentário político, agora frequentemente usado por grandes publicações sem a necessidade de esclarecimento ou definição em suas manchetes”, escreve a entidade no texto no qual apresenta a palavra escolhida.
“Dado que o uso do termo [pós-verdade] não mostrou nenhum sinal de desaceleração, eu não ficaria surpreso se ‘pós-verdade’ se tornasse uma das palavras definidoras dos nossos tempos”
Casper Grathwohl

Presidente da Oxford Dictionaries em entrevista ao jornal americano 'Washington Post'

Segundo a Oxford Dictionairies, a palavra vem sendo empregada em análises sobre dois importantes acontecimentos políticos: a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos e o referendo que decidiu pela saída da Grã-Bretanha da União Europeia, apelidada de “Brexit”.

Ambas as campanhas fizeram uso indiscriminado de mentiras, como a de que a permanência na União Europeia custava à Grã Bretanha US$ 470 milhões por semana no caso do Brexit, ou de que Barack Obama é fundador do Estado Islâmico no caso da eleição de Trump.

Em um artigo publicado em setembro de 2016, a influente revista britânica “The Economist” destaca que políticos sempre mentiram, mas Donald Trump atingiu um outro patamar.

A leitura de muitos acadêmicos e da mídia tradicional é que as mentiras fizeram parte de uma bem sucedida estratégia de apelar a preconceitos e radicalizar posicionamentos do eleitorado. Apesar de claramente infundadas, denunciar essas informações como falsas não bastou para mudar o voto majoritário.

Para diversos veículos de imprensa, a proliferação de boatos no Facebook e a forma como o feed de notícias funciona foram decisivos para que informações falsas tivessem alcance e legitimidade. Este e outros motivos têm sido apontados para explicar ascensão da pós-verdade.

Raiva e frustração

Em um artigo publicado em setembro de 2016 no qual aborda a ‘pós-verdade’, a ‘The Economist’ aponta a frustração de parte do eleitorado com instituições tradicionais que fizeram diagnósticos falhos ou falsos. ‘Eles fazem troça de tecnocratas que trabalham em proveito próprio e que disseram que o euro melhoraria suas vidas e Saddam Hussein tinha armas de destruição em massa’
Novas mídias

Plataformas como Facebook, Twitter e Whatsapp favorecem a replicação de boatos e mentiras. Grande parte dos factóides são compartilhados por conhecidos nos quais os usuários têm confiança, o que aumenta a aparência de legitimidade das histórias. Os algoritmos utilizados pelo Facebook fazem com que usuários tendam a receber informações que corroboram seu ponto de vista, formando bolhas que isolam as narrativas às quais aderem de questionamentos à esquerda ou à direita

Menos espaço para imprensa

A imprensa, que é tradicionalmente responsável por checar os fatos e construir narrativas baseadas na realidade, tem tido obstáculos para disputar espaço nas redes sociais. Em junho, o Facebook alterou seu algoritmo de forma a diminuir o alcance de postagens de sites noticiosos e privilegiar o de amigos e familiares. 

Em paralelo, a imprensa que checa fatos antes de publicá-los compete por espaço com uma ampla gama de veículos de informações falsas. Um site com um bom design pode bastar para convencer um leitor da veracidade de uma informação

O que o Facebook tem feito após as críticas

Apontado por veículos de mídia após a eleição de Trump como a plataforma-chave para a proliferação de boatos que fazem parte da “pós-verdade”, o Facebook anunciou uma medida prática: sites que compartilham conteúdo falso não poderão usar a sua rede de anúncios, que permite que eles exibam propaganda e ganhem dinheiro com isso.

A empresa seguiu o mesmo caminho do Google, que já havia determinado que sites que divulgam informações inverídicas serão proibidos de usar o Google AdSense, sistema de remuneração por anúncios.

Os críticos à maneira como o Facebook se organiza, no entanto, dizem que são necessárias outras medidas. O site Vox, por exemplo, defende que a rede social mantenha uma equipe editorial qualificada para avaliar e classificar os conteúdos noticiosos.  A revista “Business Insider” recomenda que ele faça a classificação de conteúdos como o Google, dando mais peso para veículos relevantes ou verificados.
Enviar: Google Plus

About Antonio F. Nogueira Jr.

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: