Sinal dos tempos de escuridão


Por Fernando Brito, Tijolaço -

O dedurismo é próprio das ditaduras.

O argumento “legitimador” da delação, que seria o bem comum, é simples fachada.

A motivação, como se viu abundantemente na Lava Jato, é a vantagem de pagar menos, com reduções de pena, ou pagar nada, com a liberdade de fruir do produto de sua ladroagem, apenas levemente incomodados, por algum tempo, com uma tornozeleira high-tech.

Agora, os neo-udenistas de toga, juízes e procuradores, além dos deputados “pelo amor de meus filhinhos” querem “desburocratizar”.

É dinheiro vivo, mesmo, uma “comissão sobre o roubo”, paga em dinheiro, para o delator.

Imagine que maravilha: você, gestor ou dirigente de qualquer órgão público ou privado, vigiado por seus auxiliares à procura de um deslize – ou algo que possa parecer um deslize – que lhes renda “algum”.

E, se não tiver, porque não “armar”? Afinal, que se rebaixa a calhordice de viver espionando, porque não descerá ao degrau da fraude?

Afinal, se você é de esquerda ou não concorda com o estado policial, certamente é um ladrão.

Se for de direita, passa batido, como passou a mala do Delfim Netto com R$ 240 mil de Odebrecht, isso para falar em um “paco” só.

Mas se você denunciar conspirações de governo, como fizeram Julien Assange e Edward Snowden, bem aí é o exílio, a perseguição, a morte em vida.

Na ditadura militar, o Stanislau Ponte Preta, resumiu o caráter do dedo-duro na história de Pedrinho, que quebrou uma vidraça jogando bola mas pôs a culpa no garoto vizinho. E, levado pelo pai para tirar a limbo a história, foi logo avisando a ele:

 – Papai, esse menino do vizinho é um subversivo desgraçado. Não pergunte nada a ele não. Quando ele vier atender a porta, o senhor vai logo tacando a mão nele.

No civilizado Brasil de hoje, em lugar de tacar a mão, chamaria o japonês contrabandista e levava para Curitiba.
Enviar: Google Plus

About Antonio F. Nogueira Jr.

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: